Minimalismo

Minimalismo é parte importante do meu “mantra”: Sorria. Respire. Simplifique.

O que é minimalismo?

A ideia chave do minimalismo é esta: remova o que não está agregando valor à sua vida, para abrir espaço para as coisas que estão.

MENOS : desordem, compromissos de tempo, padrões de pensamento negativo e relacionamentos tóxicos;
MAIS : tempo, espaço e energia para coisas que realmente importam para você.

Então, essencialmente, o minimalismo é descobrir quais coisas, pessoas e atividades são importantes para você e quais não são. A chave para começar é o auto-conhecimento.

Parece muito simples, certo? O problema é que, muitas vezes, estamos demasiado envolvidos no trabalho diário para prestar atenção ao que queremos na vida versus o que pensamos que devemos querer (de acordo com a sociedade, o nosso ambiente ou as nossas próprias convicções). Perdemos contato com nossos valores (ou nunca nos tornamos conscientes deles em primeiro lugar) e então tentamos preencher esse vazio da melhor maneira que sabemos: com mais coisas, mais coisas para fazer, mais pessoas ao nosso redor. Preenchemos nossa agenda até a borda, compramos mais do que precisamos, ficamos colados às nossas mídias sociais com medo de perder e vamos a eventos após eventos, mesmo quando não queremos nada mais do que passar a noite lendo no sofá.

Minimalismo é uma maneira de voltar a fazer escolhas conscientes e viver com intenção, ao invés de deixar que tudo se acumule ou permitir que outros ditem como nós gastamos nosso tempo.

O minimalismo não é principalmente sobre se livrar de posses?

Não, mas suas posses são um bom lugar para começar. As coisas que você possui, grandes e pequenas, não são apenas coisas. Elas representam sua história, aspirações, hábitos e valores.

É por isso que às vezes pode ser tão difícil largar algo tão simples como uma velha camiseta do ensino médio. Para você, não é apenas uma camiseta, ela representa um estágio importante na sua vida e está ligada a uma série de sentimentos e memórias. Passar por suas coisas e se livrar de qualquer coisa que não tenha mais um lugar em sua vida pode ter um efeito muito terapêutico, porque força você a avaliar e lidar de perto com esses tipos de emoções subjacentes.

O estado do nosso espaço vital também tende a ser uma representação bastante precisa do estado da nossa mente. A pesquisa psicológica tem mostrado repetidamente como a desordem física sobrecarrega os nossos sentidos e nos estressa. Precisamos de um ambiente agradável, livre de desordem, a fim de nos sentirmos descansados, calmos e satisfeitos. E normalmente, após lidar com a desordem, enfrentar as coisas maiores da vida acaba parecendo mais fácil.

Livrar-se das minhas coisas? Mas eu adoro as minhas coisas!

Minimalismo não é um jogo de números. Não se trata de possuir o mínimo possível ou de fazer o mínimo possível. É sobre possuir e fazer exatamente o que você precisa ou quer fazer. Então se você quiser ter 20 camisolas porque você ama cada uma delas e usá-las todas, isso é ótimo! Mas se o teu armário é uma bagunça que faz do vestir-se uma tarefa, essa é uma história diferente.

Ser minimalista pode significar muitas coisas diferentes para pessoas diferentes. O que uma pessoa pode achar que é muito, pode ser o espaço de vida minimalista perfeito para outra pessoa, porque contém todas as coisas que ela precisa para sua vida e quer ter ao seu redor.

É um equívoco comum que o minimalismo é acima de tudo sobre MENOS, sobre subtrair o que for possível. Na verdade, trata-se apenas de subtrair as coisas ruins, as coisas que drenam sua energia. É sobre ter o necessário.

Então, como posso começar a viver uma vida mais simples?

Questione! Quais coisas, pessoas e atividades estão atualmente agregando valor à sua vida e quais não estão? Para que você gostaria de ter mais tempo? Algumas perguntas para você começar:

  • Quais 3-5 coisas são mais importantes para você na vida? A maneira como você gasta seu tempo reflete isso?
  • Qual é a parte do dia que você mais anseia? Por quê?
  • Quantas horas por dia você gasta se sentindo apressado, estressado ou ansioso? O que (ou quem) está causando isso?
  • Qual é o seu lugar preferido na sua casa/apartamento? Por quê?
  • Quantas vezes você faz as coisas só por diversão?
  • Que atividades o deixam sempre com uma sensação de leveza e revitalização?
  • Quais dos seus compromissos (projetos paralelos, clubes, sócios, etc.) realmente agregam valor à sua vida e quais não agregam?
  • Se esta semana tivesse um dia extra, como você o gastaria?
  • Quão bom você é em dizer não? (aqui entra um assunto para outro post!)

Estudos:

https://www.apa.org/monitor/jun04/discontents

Inspire-se:

Livros: Essencialismo (Greg McKeown); A mágica da arrumação (Marie Kondo)

Filmes: Os Minimalistas (Netflix); Na Natureza Selvagem (baseado no livro homônimo)

Deixe uma resposta