Cuide de você em primeiro lugar

O psicólogo Guy Winch apresenta sete maneiras úteis de reiniciar a sua saúde emocional… começando agora mesmo.

Você coloca um curativo em um corte ou toma antibióticos para tratar uma infecção, certo? Nada demais. Na verdade, seria estranho se você não aplicasse os primeiros socorros necessários.

Por que, então, não esperamos que as pessoas se cuidem no primeiro sinal de uma ferida psicológica? Sabemos que ferimentos emocionais podem ser tão incapacitantes quanto físicos. Precisamos aprender a praticar primeiros socorros emocionais. Saiba como:

Preste atenção à dor emocional – reconheça-a quando ela acontece e trabalhe para tratá-la antes que ela se espalhe

Se uma rejeição, falha ou mau humor não está melhorando, significa que você já sofreu uma ferida psicológica e precisa tratá-la. Por exemplo, a solidão pode ser devastadoramente prejudicial à sua saúde física e psicológica, então quando você ou seu amigo ou ente querido está se sentindo social ou emocionalmente isolado, você precisa agir.

Redirecione a sua reação interna quando falhar.

O fracasso muitas vezes pode levar você a se concentrar no que você não pode fazer em vez de se concentrar no que você pode. Isso pode, então, torná-lo menos provável de executar o seu melhor, o que irá torná-lo ainda mais focado em seus defeitos, e o ciclo se repete. Para parar esse tipo de espiral emocional, aprenda a ignorar a reação “interna” pós-falha de se sentir impotente e desmoralizado, e faça uma lista de fatores do que você pode controlar se tentar novamente. Por exemplo, pense na preparação e no planejamento, e em como você pode melhorar cada um deles. Este tipo de exercício reduzirá os sentimentos de impotência e aumentará suas chances de sucesso futuro.

Monitore e proteja sua auto-estima.

A autoestima é como um sistema imunológico emocional que o protege da dor emocional e fortalece a sua resiliência. Uma maneira de “curar” a autoestima prejudicada é praticar a auto-compaixão. Quando você estiver se sentindo crítico de si mesmo, faça o seguinte exercício: imagine que um amigo querido está se sentindo mal consigo mesmo por razões semelhantes e escreva um e-mail expressando compaixão e apoio. Em seguida, leia o e-mail. Essas são as mensagens que você deveria estar dando a si mesmo.

Quando pensamentos negativos estão tomando conta, interrompa-os com distração positiva.

Quando você repete eventos angustiantes em sua mente sem procurar novas percepções ou tentar resolver um problema, você está apenas ruminando, e isso, especialmente quando se torna habitual, pode levar a uma dor psicológica mais profunda. A melhor maneira de interromper a ruminação insalubre é se distrair se engajando em uma tarefa que requer concentração (por exemplo, fazer um Sudoku, completar uma palavra cruzada, tentar lembrar os nomes das crianças em sua classe de quinta série). Estudos mostram que mesmo dois minutos de distração vai reduzir a vontade de se concentrar em pensamentos negativos.

Encontre significado na perda.

A perda é uma parte da vida, mas pode nos assustar e nos impedir de seguir em frente se não tratarmos as feridas emocionais que ela cria. Se já passou tempo suficiente e você ainda está lutando para avançar depois de uma perda, você precisa introduzir uma nova maneira de pensar sobre isso. Especificamente, a coisa mais importante que você pode fazer para aliviar sua dor e recuperação é encontrar significado na perda e obter um propósito a partir dela. Pode ser difícil, mas pense no que você pode ter ganho com a perda (por exemplo, “Eu perdi meu cônjuge, mas me tornei muito mais próxima dos meus filhos”). Pense em como você pode ganhar ou ajudar os outros a ganhar uma nova apreciação pela vida, ou imagine as mudanças que você poderia fazer para ajudá-lo a viver uma vida mais alinhada com seus valores e propósitos.

Não deixe que o excesso de culpa se prolongue.

A culpa pode ser útil. Em doses pequenas, ela alerta você para tomar medidas para consertar um problema em seu relacionamento com outra pessoa. Mas a culpa excessiva é tóxica, na medida em que desperdiça suas energias emocionais e intelectuais, distrai você de outras tarefas e impede que você aproveite a vida. Uma das melhores maneiras de resolver a culpa persistente é oferecer um pedido de desculpas eficaz. Sim, você pode ter tentado se desculpar anteriormente, mas as desculpas são mais complexas do que tendemos a perceber. O ingrediente crucial que toda desculpa eficaz requer – e a maioria das desculpas padrão faltam – é uma “declaração de empatia”. Em outras palavras, suas desculpas devem focar menos em explicar porque você fez o que fez e mais em como suas ações (ou inércias) impactaram a outra pessoa. É muito mais fácil perdoar alguém quando você sente que ele realmente entende. Ao se desculpar (mesmo que pela segunda vez), a outra pessoa é muito mais provável que transmita perdão autêntico e ajude sua culpa a se dissolver.

Aprenda quais tratamentos para feridas emocionais funcionam para você.

Preste atenção em si mesmo e aprenda como você, pessoalmente, lida com feridas emocionais comuns. Por exemplo, você as ignora, fica realmente chateado, mas recupera rapidamente, fica chateado e recupera lentamente, abafa seus sentimentos, ou …? Use esta análise para se ajudar a compreender que tratamentos de primeiros socorros emocionais funcionam melhor para si em várias situações (tal como identificaria qual dos muitos analgésicos nas prateleiras funciona melhor). O mesmo vale para a construção da resiliência emocional. Experimente várias técnicas e descubra quais são mais fáceis de implementar e quais tendem a ser mais eficazes para si. Mas, principalmente, adquira o hábito de tomar nota da sua saúde psicológica regularmente – e especialmente depois de uma situação estressante, difícil ou emocionalmente dolorosa.

Sim, a prática da higiene emocional requer um pouco de tempo e esforço, mas elevará seriamente toda a sua qualidade de vida. Eu prometo.

Fonte

Artigo completo em inglês em: https://ideas.ted.com/7-ways-to-practice-emotional-first-aid/

Inspire-se

View this post on Instagram

👏🏽👏🏽👏🏽

A post shared by Dra.Fabi Mendes🧿 (@dra.mindfulness) on

Deixe uma resposta